Veja 5 dicas para melhorar conflitos com adolescentes

Diálogo e orientação são fundamentais em casa e na escola

O Ensino Fundamental II é um ciclo importante para o desenvolvimento do aluno. Ele está se despedindo da infância, com mudanças físicas visíveis e sua forma de compreender o mundo também se transforma. Com isso, surgem conflitos pessoas e nos relacionamentos. Saiba como lidar.

Segundo a psicóloga e orientadora educacional do Anglo Leonardo da Vinci, Claire Cardella, do 6º ano ao 9º ano, são comuns a dificuldade para trabalhar em grupo, aceitar e compreender a diversidade que existe em sala de aula, competições e bullying.

“Além disso, é uma fase na qual temos que prestar atenção nas crises pessoais, como depressão, autoagressão, ansiedade, agressividade, ideias suicidas”, explica.

Os adolescentes são intensos, imediatistas e impulsivos para lidar com suas emoções e com situações, sejam difíceis ou não. Questionam e reivindicam. Nem sempre conseguem dialogar para resolver um problema. “É preciso acolhimento e um olhar cuidadoso, pois eles ainda não sabem lidar (de maneira funcional e equilibrada) com as emoções”, diz.

A coordenadora Ana Beatriz Assali ressalta que toda relação pressupõe um aprendizado, e os conflitos fazem parte desse processo. “Ao me relacionar, preciso saber, ver, ouvir e compreender. No conflito, preciso muitas vezes perder, deixar de lado a minha opinião e perceber que a posição do outro pode estar coerente. Mostramos isso a eles”, acrescenta.

Na escola, as profissionais atuam intermediando conversas e promovendo diálogo, uma prática que vale a pena ser adotada fora do colégio. “Nessa fase, é fundamental ouvir os lados, contrapondo, fazendo com que cada um olhe para além de si”.

Confira algumas dicas que ajudam a melhorar os conflitos na adolescência:

1-   É importante buscar um mediador para o conflito. Entre os filhos, a figura dos pais deve entrar como alguém neutro;

2-   Disponibilidade: é preciso ouvir, ter tempo para compreender a situação;

3-  Diálogo e orientação: na escoa, durante as aulas de OE, a equipe proporciona um momento para que os alunos compartilhem sentimentos, possam ouvir uns aos outros, pensar estratégias em conjunto para que todos convivam com respeito e cumplicidade;

4-  Parceria escola-família-aluno. Trabalho em conjunto faz a diferença;

5-  Foco na empatia: é essencial se colocar no lugar do outro, é possível ouvir o ponto de vista do outro. Discordar faz parte, mas o respeito e a empatia devem prevalecer.