Viagem à estação Ecológica de Juréia mostra a riqueza da natureza

Em trabalho de campo, alunos participam de 12 oficinas e aprendem na prática

 

Alunos da 1ª série do Ensino Médio de todas as unidades do Anglo Leonardo da Vinci embarcaram em uma viagem inesquecível na última quinta-feira (29). Foram quatro dias somando conhecimentos, experiências e vivência social no Trabalho de Campo Estação Ecológica de Juréia-Itatins. A conservação fica localizada no litoral sul paulista.

Para muitos, acampar foi uma novidade e aventura. No primeiro dia, os estudantes foram envolvidos na organização das instalações, um momento em que as responsabilidades foram compartilhadas e encaradas com bom humor.

“Foi a minha primeira experiência em acampamento. Acabei dando um jeito mesmo com a chuva e foi legal. Mesmo dedicando um tempo aos estudos, a gente precisava desses dias fora da rotina”, conta o aluno Pedro Luiz (Osasco).

A equipe pedagógica organizou 12 oficinas. Em comum, todas tinham o convite para que os alunos percebessem com muita atenção as riquezas disponíveis na Mata Atlântica e ao redor. Matéria orgânica, solo, distinção das folhas, animais e a população local são algumas delas.

"É hora de parar, fechar os olhos, ouvir e distinguir cada barulho: o mar, as aves, o vento, as plantas. Sinta o cheiro. Perceba o que está ao seu redor", ressaltou a professora Lydia, de Biologia.

Nesta disciplina, houve um tempo para conhecer os paredões rochosos que ficam em zonas litorâneas e apresentam uma diversidade grande, como mexilhões, algas, poliquetas e outras. A ideia foi mostrar as adaptações que os seres vivos fazem para sobreviver nessas regiões.

Na estação de Geografia, os professores Victor e Bruno apresentaram os tipos de rochas e solo, assim como suas composições. Conversaram sobre a diferença da formação da serra do mar para a planície litorânea, entre outros pontos.

Os professores de Química também propuseram experimentos. O primeiro foi isolar o sal da água do mar por meio da filtragem e eliminação da água. O segundo foi separar os grãos de areia e cálculo de porcentagem em massa dos grãos. Por fim, mediram a densidade da areia da praia.

Astronomia em referencial topocêntrico, estudo dos peixes, busca por vestígios animais foram temas que chamaram bastante atenção, com explicações do Flávio. Teve, ainda, aulas enriquecedoras sobre flores, biodiversidade marinha, ecologia e classificação de borboletas com o Professor Victor, dinâmica do estuário, o fantástico mundo das bromélias, entre outros.

O Professor Person levou os alunos a uma coleta de seres vivos localizados no plâncton - região do mar que recebe luz solar - utilizando uma embarcação. Depois, observaram algas unicelulares e coloniais, larvas de crustáceos, entre outros.

Para as turmas, valeu cada momento. “Percebi que muitos colegas tinham as mesmas dúvidas que eu sobre alguns assuntos. Essa identificação nos fez muito bem. Fiz amizades e guardarei muitas lembranças dos momentos e desse aprendizado na prática”, ressalta a aluna Alessandra (Vila São Francisco).